31 de ago de 2016

Na sua estante: Bienal 2016 e Douglas Adams...

donna rita - na sua estante - bienal 2016 - douglas adams

"...Existe uma teoria que diz que, se algum dia alguém descobrir exatamente para que serve o Universo e porque ele está aqui, ele desaparecerá instantaneamente e será substituído por algo ainda mais estranho e inexplicável...

...Existe uma segunda teoria que diz que isso já aconteceu..."

Douglas Adams, O restaurante no fim do universo...

Poucas obras atraíram minha atenção tanto quanto o "Guia do Mochileiro das Galáxias". Para ser sincero, não consigo me lembrar de nenhuma que tenha causado tamanho fascínio. Acredito que o segredo deve estar no casamento entre a ficção científica e o humor "no sense" no estilo Monty Phyton. E todas quelas passagens com diálogos surreais.

Como já deixei bem claro antes, me defino como um profissional na arte da "piriguetagem literária", ou seja, sempre me envolvo em um novo romance com  um livro. Perco encanto por alguns autores quando encontro algo novo que me agrada. Mas, isso não se encaixa nesse caso. De tempos em tempos eu retorno ao bom o velho "Douglas Adams" para me surpreender novamente com suas obras. É um fenômeno meio Chaves: sei o que vem pela frente, mas mesmo assim consigo dar umas boas risadas da mesma coisa.

E nessa Bienal fui fisgado novamente... 

Tudo foi perfeito, do início ao fim. Depois de uma conversa, eu e Donna Rita, decidimos que nesse ano iriamos durante a semana - não que eu não tenha gostado de ter ido no sábado em edições anteriores, mas eu não sou muito favorável a ambientes bitolados de pessoas -, e foi o primeiro acerto. Foi possível andar tranquilamente, ver tudo o que devia e merecia ser visto, fizemos nossas comprinhas, e curtimos um ótimo passeio. Não pegamos transito engarrafado e nem fila para o banheiro. Tudo fantástico.

Foi então que entramos no "pequeno" estande da Saraiva...

Ali já comecei a paquerar uma edição em volume único contendo os cinco livros da trilogia "Guia da Mochileiro das Galáxias". Dei uma conferida com carinho, porém decidi andar por outros estandes a procura de um preço mais acessível. Sabe como é, final de mês é algo complicado, ainda mais com o meu salário fecal.

donna rita - na sua estante - bienal 2016 - douglas adams

Em meu rolê literário dei de encontro com algo que minha querida esposa já havia me alertado. No estande da "Arqueiro" encontrei com aquela que seria minha nova paixão. Eram os dois livros da série "Dirk Gently". A premissa me parecia bem interessante:

"...O que têm em comum um gato desaparecido, um prodígio da informática, o poeta Samuel Taylor Coleridge, física quântica, um cronologista de mais de 200 anos e um monge eletrônico que acredita que o mundo é rosa?..."

O livro tem um ar de histórias clássicas de detetive com a premissa mais absurda que já vi. "Dirk Gently" é o responsável por fazer a fazer a conexão entre todos esses elementos ao investigar um assassinato. Nas primeiras páginas já comprei a ideia e não consigo parar de ler até achar a solução do mistério. Algo parecido foi o que senti até descobrir a resposta definitiva para todas as coisas - que é 42, diga-se de passagem.

donna rita - na sua estante - bienal 2016 - douglas adams

E na compulsão, no calor do momento, comprei o segundo livro da série também. Aproveitei, tava bem baratinho. Aliás, alguns estandes tinham os preços mais baixos do que os valores encontrados na internet. HAHAHAHA !!

donna rita - na sua estante - bienal 2016 - douglas adams

Bem... Acho que terei bastante material para leitura, durante um bom tempo. Essa foi uma das grandes histórias da Bienal 2016. Espero poder trazer mais algumas boas para contar por aqui depois

E você?

Aproveite e conte a sua história também...

23 de ago de 2016

Na sua estante: O guia de sobrevivência a zumbis, Ataques registrados

donna rita - Na sua estante: O guia de sobrevivência a zumbis, Ataques registrados

Eles sempre estiveram entre nós...

Queridos e queridas... Senta que hoje é dia de "graphic novels" aqui no ateliê. E para tornar tudo mais interessante, hoje é dia de falar de zumbis.

Os zumbis existem e alguns de seus ataques foram registrados no decorrer da história. Se isso é verdade eu não sei, mas esse é o excelente"plot" da graphic novel "O guia de sobrevivência a zumbis, Ataques registrados" de Max Brooks, também conhecido pelo seu trabalho no best seller "Guerra Mundial Z".

O enredo estabelece a ideia de que os mortos vivos sempre existiram, e que desde os primórdios tentam devorar os nossos preciosos cérebros. A primeira passagem retrata o que foi o primeiro contato entre humanos e mortos vivos cerca de 60.000 a.c. em Katanda, África Central. Nessa passagem uma tribo de homo sapiens se deparou com uma horda zumbi pré-histórica. Eu, particularmente, achei capítulo muito interessante, uma vez que foge do "lugar comum " que seria as obras que abordam o apocalipse zumbi.

Outras duas passagens interessantes estão no final do encadernado. Em um domínio japonês, durante a Segunda Guerra, os japoneses fizeram experimentos envolvendo zumbis, que ficou conhecida como "Operação Botão de Cereja". O livro não dá muitos detalhes acerca do nome, mas isso não importa muito. Os mortos vivos seriam utilizados como uma unidade para ataques durante o confronto, mas não deu muito certo.

Teve também uma irmandade ninja do século XVII responsável por aniquilar a ameaça zumbi...

Já em 1960, a "Operação Botão de Cereja" caiu agora nas mão dos soviéticos que também tentam fazer uso dos zumbis em seus pelotões. Aqui o cenário difere um pouco, pois retrata a sobrevivência do soldados russos ao levante morto vivo.

donna rita - Na sua estante: O guia de sobrevivência a zumbis, Ataques registrados

Max Brooks utilizou diversas outras passagens da história para enriquecer seu enredo. Praticamente toda grande civilização humana, em uma hora ou outra, se viu obrigada a enfrentar problemas relacionados a mortos vivos. E como um bom guia de sobrevivência, a graphic novel traz também a maneira como essas civilizações combateram a escória zumbi.

Já não bastasse isso, a arte fica por conta do brazuca "Ibraim Roberson", ligado a grandes empresas americanas de história em quadrinhos e trabalhou inclusive em alguns títulos dos X-Men. 

donna rita - Na sua estante: O guia de sobrevivência a zumbis, Ataques registrados

"O guia de sobrevivência a zumbis" é uma boa dica de leitura para os amantes de uma boa graphic novel, e que possuem interesse em obras com a temática de zumbis. Mas nem tudo é prefeito, eu trocaria algumas passagens históricas do livro por outras bem mais interessantes, como por exemplo "Revolução Francesa", "Brasil Colonial", "Guerra Civil Espanhola"... No mais, é tudo muito bom, o enredo a arte. A obra foi muito feliz na sua proposta, fazer algo diferente dentro de um tema já muito batido.

Leia, divirta-se e seja lindo e feliz...

Ficha técnica:
Título: O Guia de Sobrevivência a Zumbis
Subtítulo: Ataques Registrados
Autor: Max Brooks
Ilustração: Ibraim Robertson
Tradução: Leonardo Villa-Forte
Editora: Rocco
Edição: 1
Ano: 2011
Idioma: Português
Especificações: Brochura | 144 páginas
Peso: 250g
Dimensões: 225mm x 155mm



© Donna Rita - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Donna Rita.
Programado por: Seis Mil Milhas.