16 de mai de 2016

Conversa de café: Meu amor e ódio pelo Capitão América.


Guerra Civil está por aí e todo mundo ficou doido para ver o filme e, conforme já havia previsto, o Universo D.C. acabou brochado mais uma vez. Não que "Batman vs Superman" tenha sido uma merda completa, eu até gostei do filme, mas a Marvel mostrou mais uma vez como cativar o seu público. Eu mesmo estou totalmente vendido para essa ideia. Hoje, o Capitão tem um lugarzinho bem especial em meu coração.

Minha relação com Steve Rogers nem sempre foi assim...

Antigamente quando tinha uma posição política bem radical eu simplesmente o detestava. Mais por ele ser uma propaganda do American Way of Life, uma propaganda voltada para a mente das crianças. O Capitão representava tudo aquilo que mais desprezava em minha juventude. Jamais admitiria admirar alguém enrolado na bandeira americana. Eu o achava um porco. 

Também sentia algo parecido em relação ao Superman. Tanto que a única HQ que aceitei ler durante muito tempo foi "Entre a Foice e o Martelo". 

Também me privava de muitas outras coisas em nome de minha cruzada contra o imperialismo pagão. Tempos de ingenuidade.

Mas em 2006 tive a oportunidade de ler aquele que foi um dos melhores arcos das histórias em quadrinhos. Atraído pela sinopse, me peguei tentado a ler a "Guerra Civil", a história que prometia dividir o universo Marvel. Uma peleja entre heróis, era tudo o que eu mais queria. 

Lá estava eu para ridicularizar mais uma vez o "cuzão" do Capitão América quando o vi em uma situação única. Pelo menos para mim, até aquele momento. Steve se viu obrigado a refletir sobre todos os dogmas que defendia cegamente até então. O bom soldado passou a questionar e se opôs contra o seu querido governo. O Capitão América mandou os Eua à merda e passou a lutar contra. Não esperava aquilo. Demorei para entender o tamanho do valor daquela quebra de paradigma. 

A partir desse momento passei a olhar Rogers com outros olhos.


Eu ainda acredito fortemente em todo o poder ideológico, toda a carga imperialista, que está por trás desse simpático herói. Eu apenas ignoro. Pensando bem, todo o mundo que nos ronda tem um teor ideológico. Não existe ponto sem nó. O que não significa também que você deva ser um alienado. Pelo contrário, é necessário saber ler nas entre linhas a fim de poder abstrair, e de evitar ao máximo possível para não cair na alienação. Ou seja, eu sei que não se passa de uma propaganda safada, mas consigo enxergá-lo somente como um herói. Ele não me faz gostar mais ou menos dos americanos. É entretenimento e ponto final.

O tempo passou e acabei devorando os quadrinhos do Capitão. Confesso que a temática da Segunda Guerra Mundial contribuiu para o meu interesse. E assim fui colecionando vários de seus arcos.

Mas foi em 2011 que houve a virada de jogo efetiva. "Capitão América: O primeiro Vingador" foi o primeiro filme que vi ao lado de minha esposa (foi ela quem escolheu, diga-se de passagem) em nosso primeiro encontro, e isso significa muito pra mim. Considero Steve a testemunha de nosso primeiro beijo. 

Em 2014 saiu "O Soldado Invernal" e já estávamos casados.

Em 2016 saiu "Guerra Civil" e comemoramos grandes conquistas.

Não sei muito bem o que virá no próximo filme, mas sei exatamente onde quero estar...

Esse foi mais um post do Sr. Marido, e eu fico por aqui deixando vocês por aí.

Comentário(s) pelo Facebook:

12 comentários:

  1. Se é pelo amor dos dois então não tenho o que falar, hahahahaha. Mas sou total contra o Rogers. Ando na linha, na lei, não quebro paradigmas e ele quebrou meu coração querendo continuar na ilegalidade. Mas sou assim, e acabei #TeamStark.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas o Capitão estava desobedecendo uma lei totalmente equivocada, isso justifica muita coisa.. Coitado Rogers, ele é gente boa demais.. rsr

      Bjss

      Excluir
  2. Eu também ignoro o background imperialista do Capitão America e curto o restante. Eu to ansiosa pra assistir Guerra Civil mas sempre acontece alguma coisa que me impede de ir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Capitão América tem todo um background bem carregado de ideologia, mas se encararmos como um entretenimento acredito que não há um grande problema.

      Excluir
  3. Eu não gosto dele nos quadrinhos. Antes de criarem uma adaptação com o ator Chris Evans, achava um porre as hq´s dele. Perfeito demais, e tinha o mesmo pensamento que vc.. hahahahahahaha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é um herói bem coxinha, certinho demais, ás vezes enche um pouco. Porém, as historias dele na Segunda Guerra são muito boas, dá uma chance para ele.. rrs

      Excluir
  4. Que bacana esse post, não sou tão fã de super heróis e tal, na verdade tenho uma queda pelo Huck e o homem de ferro, mas como sou curiosa e gosto de opinar em filmes, quero muito assistir aos dois filmes, Capitão América e Batman vs Superman.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os dois filmes são muito bons, "Batman vs Superman" nem tanto quanto o do Capitão, mesmo assim vale a pena dar uma conferida. Espero que vc tenha se divertido bastante assistindo aos dois...rsr

      Excluir
  5. Sei que não tem muito a ver, mas gosto mais dos games, tenho até Captain America and The Avengers.

    E que gracinha vocês ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os games são muito bons mesmo. Cheguei a jogar o "Capitão América and the Avengers" sem muito sucesso, nunca consegui zerar o negócio. Mas tinha um outro que era minha paixão: "Marvel vs Capcom", excelente...rrs

      Excluir
  6. Uma história de amor em quadrinhos! Que fofura!
    Eu tenho as minhas ressalvas sobre Rogers. Mas preciso dizer que ele ganhou meu respeito em Guerra Civil. Mas o Stark ainda é meu favorito :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o Stark é bom demais também. Um tanto engomadinho demais, mas é um personagem bem interessante. Os dois são bons, é possível gostar dos dois... rrs

      Excluir

Parece clichê, nós sabemos, mas é a mais pura verdade: seu comentário é muito importante para nós! Então não se reprima e diga o que você pensa! Caso queira ter uma conversa mais longa, fique a vontade para nos enviar um e-mail. O endereço é esse aqui donnarita.artesemimos@gmail.com E lembre-se: sinta-se em casa!

© Donna Rita - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Donna Rita.
Programado por: Seis Mil Milhas.