29 de jun de 2015

Literatura fantástica: Draccon, Dragões de Éter e Caçadores de Bruxas...

Literatura fantástica: Dracon, Dragões de Éther e Caçadores de Bruxas...

Querido leitor... Hoje é dia de LIVROS!!!!!!!

Você que acompanha esse humilde blog já conhece a minha paixão pela literatura, é um hábito que tenho orgulho em ter. E hoje decidi escrever sobre literatura fantástica, ou melhor, sobre uma obra da literatura fantástica brasileira. Sim, isso mesmo que você leu, temos muitos autores bons no cenário nacional, muitas vezes mais reconhecidos lá fora do que aqui em terras tupiniquins. Isso é Brasil...

Sou fã dos grandes autores como Tolkein, R.R. Martin, Neil Gaiman, Douglas Adams, Cornwell, AllanMore, dentre tantos outros. Vivo uma relação platônica de amor e ódio por suas obras. Amor, pois admiro demais suas capacidades criativas; e ódio, pois sinto uma pontadinha de inveja por não ter um talento desses. Tento muito, mas não saio do lugar. Mas talvez algum dia você me pegue por aqui falando de minha obra sobre lêmures e suas capacidades cognitivas durante as cruzadas...rsrrs

O que tem lá fora é super bacana, mas seria bom também voltar o olhar com um pouco mais de carinho para o mercado interno. Aqui também existem autores excelentes capazes de produzir grandes obras.

Leonel Caldela, André Vianco, Eduardo Spohr, e Raphael Draccon são alguns dos autores renomados lá fora que ainda são pouco conhecidos por aqui... Mas, hoje vou falar um pouquinho de Draccon e sua obra Dragões de Éter: Caçadores de Bruxas...

Literatura fantástica: Dracon, Dragões de Éther e Caçadores de Bruxas...

Raphael Draccon é um jovem que recebeu alguns prêmios internacionais por suas obras, e se não bastasse isso, foi o responsável por indicar as "Crônicas de Gelo e Fogo" para a editora Leya. Isso mesmo, aquela saga de livros que deu origem ao excelente seriado "Games of Thrones" da HBO. Eu entrei em contato com suas obras através de podcasts como o NerdCast e o RapaduraCast...

Lá vai uma pequena Sinopse:

"...Nova Ether é um mundo mágico protegido por fadas que são avatares de seres supremos. Algumas fadas rebelaram-se e tornaram-se bruxas que espalharam destruição e caos pelas terras dos homens. Uma caçada às bruxas foi conduzida com sucesso por Primo Branford, que mais tarde se tornaria o rei do maior Reino de Nova Ether: Arzallum. Depois do conflito tudo estava tranquilo até que fenômenos estranhos começaram a ocorrer novamente. Uma pequena menina de chapéu vermelho viu sua vó ser devorada por um lobo selvagem. Um casal de irmãos foi aprisionado pela bruxa da casa de doces. E o navio do mais famoso pirata está próximo a atracar ao principal porto de Arzallum..." 

Daqui pra frente tudo o que falar pode ser considerado um spoiler, então vou parar por aqui. Acho que já é o suficiente para para instigar sua curiosidade sobre o mundo de Dragões de Éter.

Literatura fantástica: Dracon, Dragões de Éther e Caçadores de Bruxas...

O grande lance criativo de Draccon foi o fato de ele ter feito uma releitura dos grandes clássicos dos contos, costurá-los, e amarrá-los a um grande plano de fundo. Durante toda a trilogia é perceptível que tem um grande fio condutor, um grande plot, que é recheado por essas pequenas histórias. Parece ser uma coisa tão simples, mas ao mesmo tempo tão diferente, tão genial. Os personagens são tão carismáticos, você aprende a admirá-los, e até se afeiçoa a eles. 

Um dos fatos que entretêm o leitor é a possibilidade de identificar as histórias ali representadas. Por exemplo, tem a chapeuzinho vermelho, tem João e Maria, o príncipe sapo, e alguns outros que confesso não ter identificado ainda, mas ainda estou procurando. Tudo isso contribui para que a obra permaneça em sua mente mesmo depois de acabada....

Em outras palavras, é tudo tão simples e tão belo. Caçadores de Bruxas é um livro essencial para quem é fã do gênero fantástico. 

Se você gostou dessa dica literária não vá embora, fica um pouco mais. 

Segue abaixo algumas postagens antigas de literatura.


Esse foi mais um post do Sr. Marido que escreveu e saiu correndo para escrever um pouco mais...

Gostou do livro?? Aproveite a promoção no submarino clicando aqui....

24 de jun de 2015

Conversa de café: Shutter Island/A ilha do medo e minhas impressões...

donna rita - conversa de café - shutter Island - a ilha do medo

Shutter Island e minhas impressões de merda acerca... 
Caro leitor...
Depois um bom tempo ostracismo - devido a bazares, fechamento de notas, término de bimestre, e algumas hora de Witcher III - resolvi aparecer novamente para fazer aquilo que mais gosto: escrever. E nada mais justo do que voltar a falar sobre filmes, por isso resolvi falar especialmente sobre um dos mais assistidos de todos os tempos aqui dessa casa. Demorou, mas chegou a hora de falar da Ilha do Medo...

O que faria se todos ao seu redor afirmassem que você é um louco? Muito provavelmente você se convenceria. É isso o que me  move a assistir esse filme várias e várias vezes, nunca me canso dessa porra.

O filme é uma adaptação feita por Martin Scorsese do livro "Paciente 67" de Dennis Lehane e conta a história do detetive Ted Daniels, encarregado de investigar o desaparecimento de um paciente do sanatório para criminosos doentes mentais de Ashecliffe. Até aí tudo bem, não parece ser nada demais...

donna rita - conversa de café - shutter Island - a ilha do medo...

Daí pra frente a trama só encorpa. Vem todo o mistério do paciente 67, a regra dos quatro, o mistério no antigo farol. Resumidamente, Ted Daniels é um paciente do instituto que passa por um tratamento novo e radical, tudo é encenado dando margem para a fantasia que havia criado: a de um bom policial que vai até o sanatório fechá-lo, pois lá acontecem vários experimentos dignos do mais sádico dos nazistas. Ao final ele descobre ser o próprio paciente 67, um dos muitos loucos exilados naquela ilha.

Obviamente a trama é muito mais complexa que essa breve síntese. Meu ponto não é esse. Resolvi escrever essa postagem para discutir uma outra possibilidade: e se ele realmente fosse um detetive encarregado de investigar os crimes da ilha que acabou sendo "enlouquecido" pelo local. "...It´s a trap..."

donna rita - conversa de café - shutter Island - a ilha do medo

Eu acredito piamente nessa possibilidade, mesmo depois de ter assistido diversas vezes. Entendo que Ted Daniels era um louco desde o início e há varias passagens do filme que colaboram para isso, mas a segunda possibilidade é bem provável...

Um agente federal veterano da segunda guerra que, traumatizado pelos incidentes do conflito, resolve investigar qualquer coisa que se assemelhe ao holocausto nazista - também é de conhecimento público que os hospitais psiquiátricos da primeira metade do século XX foram responsáveis por muitos experimentos, dignos de uma Alemanha nazista. De repente ele descobre que o responsável pelo assassinato de sua esposa se encontra em Ashecliffe, justamente no local em que ele colocou o seu alvo, seu objeto de investigação.

Ted Daniels perguntou demais, por isso elaboraram um plano maquiavélico para arrastá-lo até a ilha. E parte do plano consistia em deixá-lo insano, assim como fizeram com a doutora Rachel Solano...

Eu particularmente acredito muito nessa teoria, faz sentido e vem de encontro com o questionamento proposto logo no começo da postagem: O que faria se todos afirmassem que você é um louco?

donna rita - conversa de café - shutter Island - a ilha do medo

Essa foi minha perspectiva desse filme tão excelente que ainda vive em minha memória mesmo tendo assistido diversas vezes. Aliás, esse é o melhor tipo de filme, aquele que não termina nos créditos, mas continua persistindo por muito tempo na cabeça...

Esse foi mais um post do Sr. Marido que escreveu e saiu correndo para jogar Witcher III...
















17 de jun de 2015

6ª Edição do Bazar Fora de Série Elo7: Nós estivemos por lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...


Bom dia/ Boa tarde/ Boa noite...

Nos dias 13/06 e 14/06  foi realizado o 6º Bazar Fora de Série Elo7 no espaço Tangram - Rua: Fidalga, nº184, Vila Madalena...

A trupe do Donna Rita esteve por lá, registrou grandes momentos, e aproveitou para fazer grandes amizades. Confira abaixo algumas das fotos.

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

donna rita - 6º bazar fora de série elo7: nós estivemos lá...

Agora que você viu as fotos dá uma chegadinha na nossa página no Flickr, é só dar uma clicadinha  aí embaixo, tem muito mais por lá...


Um bjo, um abraço, e um aperto de mão. E até a próxima...

... que será neste sábado, 20 de junho! Estaremos no Bazar Mercadinho Artesanal em São José dos Campos. Esperamos você por lá!

E prometemos que logo tem post com os lojistas mais bacanas deste bazar e com as comprinhas de Donna Rita!

12 de jun de 2015

Na cozinha: Pipoca com manteiga e limão...

donna rita - na cozinha - pipoca com manteiga e limão...

Bom dia/Boa Tarde/Boa noite...

Tá enjoadinho daquela pipoquinha tradicional?? Quer algo diferente para compartilhar com seu amor?

Hoje Donna Rita traz uma receita especial, prática e diferente, para você saborear sua pipoca enquanto assiste um fime bem bacanudo. Pipoca com manteiga e limão, tirada do livro "PIPOCA!".

Dá uma passadinha lá no canal.


Espero que goste, não esquece de curtir o vídeo e assinar o canal. Sinta-se à vontade para compartilhar o link com os amiguinhos.

Beijitos...

OBS* No vídeo foi falado em levar a pipoca ao forno por quinze minutos. Deixa uns doze que já está bom demais....srsrrs



10 de jun de 2015

Receitas para o dia dos namorados: Risoto de camarão...


donna rita - receitas para o dia dos namorados - risoto de camarão

"...Nada vai me fazer
Desistir do amor
Nada vai me fazer
Desistir de voltar
Todo dia pro seu calor
Nada vai me levar do amor..."
Jorge Vercillo, Que nem Maré

"...Nada vai me fazer desistir do amor..." já diria o poeta das paixões latentes.

Querido leitor...

É assim embalado ao som de Jorge Vercillo que venho para dar uma dica rápida e honesta para você. 

Com certeza você deve saber que o dia dos namorados é importante para quem está engajado em um relacionamento - ou para quem planeja algo mais sério. É exatamente nesse período em que o homem se perde e começa uma saga em procura de um presente ideal para sua querida amada.

Mas qual seria o presente ideal?

E o medo de dar algo que seja fora do gosto, algo inútil, aquilo que vai ficar esquecido em algum canto qualquer. Esse é um mal que assola muitos homens.

Por isso, vim aqui para dar uma dica rápida e certeira na hora de presentear sua alma gêmea: Faça um jantar...

Isso mesmo, com o advento da internet tudo ficou mais fácil. Dá um google, procure algo bem gostoso. Aprendi com o filmes do Hugh Grant que as mulheres gostam de homens que cozinham. Então, bora cozinhar...

donna rita - receitas para o dia dos namorados - risoto de camarão - hugh

Aqui em casa já está tudo planejado. 

Teremos de jantar um delicioso risoto de camarão acompanhado de um vinho tinto suave. E de quebra um pavê de morango para sobremesa. Logo após a refeição assistiremos "Um lugar chamado Notting Hill", simplesmente emocionante...É amor demais...

Bom, esses são os meus planos para o dia dos namorados. 

As receitas foram tiradas do site "tudo gostoso", excelente site para os cozinheiros de plantão e você pode vê-las clicando nos respectivos nomes:



Aproveite e um bom dia dos namorados para você. E nunca desista do amor...

donna rita - receitas para o dia dos namorados - risoto de camarão - vercillo

Esse foi mais um post do Sr. Marido que escreveu e saiu correndo para esquentar a janta...


Agora minha vez!!!

O Sr. Marido cuida do jantar e eu do clima de muito amô!
Criei um painel lá no Pinterest com dicas cheias de romantismo para enfeitar seu Dia dos namorados, com links para você baixar e imprimir posteres fofinhos como esses daqui. Aproveita!



6ª Edição do Bazar Fora de Série Elo7!!! Estaremos por lá...





Beijitos!





8 de jun de 2015

Alienígenas: Ancient aliens, deuses astronautas e Tsoukalos...

donna rita dicas - aliens, como detectá-los...


Querido leitor...

Hoje resolvi aparecer para dar um dica de utilidade pública. Era um feriado prolongado e eu zapeava novamente pelos canais de televisão, sem muito sucesso. Ás vezes eu resolvo dar uma olhadinha nos canais de História, ossos do ofício, uma vez que sou professor de História. Disse só às vezes porque esse canal me deixa um tanto puto. Sinceramente, eu não aguento aqueles programas de compra e venda de antiguidades, caminhoneiros do gelo, e ALIENÍGENAS do passado - Ancient Aliens. Tudo isso é um saco.

O cabeludo Giorgio Tsoukalos força demais a perspectiva dos fatos em favor de suas teses, baseadas principalmente na grande obra: "Eram os Deuses Astronautas" do suíço  Erich von Daniken

Essa obra aborda a possibilidade das civilizações da antiguidade terem entrado em contato com civilizações alienígenas. O autor apresentou como "provas" supostas ligações entre as pirâmides do Egito, as linhas de Nazca, os moais da ilha de Páscoa, e até mesmo a evolução humana como sendo fruto de uma intervenção alienígena. Se você tiver disposição aconselho que assista "Prometheus", e "2001, uma odisséia no espaço".

Eu até admito que a teoria é interessante. Eu compartilho da opinião de que devem existir outras formas de vida, o universo é grande demais para girar ao redor de nosso pequeno umbigo humano. Nem duvido da possibilidade de todos estarem espalhados por aí, nos altos postos do governo. Filmes, obras em geral com essa temática atraem muito a minha atenção.

Mas, a galera do History Channel forçou demais a amizade. Tsoukalos fez um verdadeiro desfavor ao acrescentar um certo sensacionalismo - galhofa - a essa corrente de pensamento.

donna rita dicas - aliens, como detectá-los prometheus

Mas, e se eles estiverem realmente ao nosso redor? E se a verdade não estiver lá fora, mas sim ao lado? Como detectar um alienígena? Ou melhor, como clássificá-los? Nessa postagem resolvi deixar todo o meu preconceito de lado e mostrar outras obras interessantíssimas de ficção, assim como o Ancient Aliens

Há diversas espécies de alienígenas das mais diversas formas espalhadas pelo universo: humanóides, robôs, vírus, monstros, monstros gigantes, incorpóreos, parasitas, e plantas. Mas para essa postagem vou usar todo o meu conhecimento de merda, e me prender somente aos alienígenas encaixados na categoria humanóides.

Segue abaixo uma lista com os tipos mais comuns dessa categoria:

Anunakis: Descritos pela primeira vez nas antigas tábuas cuneiformes sumérias (ancient aliens). São descritos como seres de crânios grandes, alongados, grandes olhos vermelhos e três protuberâncias na cabeça - tipo o Et de varginha. Variam de 1,20m a 1,40m de altura.

Grey: Constituem os aliens mais famosos da ficção. São pequenos seres cabeçudos de pele acizentada, grandes olhos pretos, e extremamente inteligentes. Os greys são os de maior aparição.

Zeta: Uma variação dos grey com as mesmas características, porém mais altos. Costumam ter por volta de 1,80m a 2,20m de altura.

Saurianos: São os famosos homens lagartos. Segundo o conhecimento popular, estão infiltrados no principais cargos do governo.

Yetis: Essa espécie grande e peluda recebeu esse nome numa referência à palavra tibetana para designar o Abominável Homem das Neves.

Nórdicos: O nome é uma alusão aos humanos nórdicos, de cabelos louros e olhos claros. Esses extraterrestres são os mais parecidos conosco. De pele muito pálida, são frequentemente confundidos com os anjos cristãos.

Engenheiros: Segundo o filme Prometheus, são os responsáveis pela vida humana na terra. São humanóides altos, de forte constituição física e pele acizentada.

Alienígenas: Ancient aliens, deuses astornautas e Tsoukalos...
Abominável Homem das Neves...
 
Bom, esses são os tipos mais comuns de alienígenas que vivem entre nós, eu acho. Espero ter contribuído para o seu conhecimento acerca do assunto. Prepare-se e tome muito cuidado. E Lembre-se que a nossa melhor arma é o conhecimento...

Bjosss, aperto de mão e um abraço. 

Esse foi mais um post do Sr.Marido que escreveu e saiu correndo para assistir a Espn...


Fontes (Dicas de livros, filmes e seriados)

Livros.
Protocolo BlueHand alienígenas. Sphor, Eduardo; Ottoni, Alexandre; Pazos, Deive.
Invasão. Cassaro, Marcelo
Eram deuses alienígenas. Von Daniken, Erich

Filmes e Séries.
Prometheus.
Toda a trilogia Alien.
Arquivo X, a série.
Ancient Alien, Alienígenas do passado.
2001, Uma Odisséia no Espaço.
O enigma do outro mundo.



 







5 de jun de 2015

A fibra dos materiais na encadernação: vídeo e e-book grátis




Mais uma vez a tia está de volta para falar de encadernação. O assunto de hoje é um tanto técnico, mas muito importante para obter bons resultados nos seus projetos. 

No vídeo de hoje, você vai aprender a como identificar a fibra nos papéis. Vou te mostrar três formas de descobrir o sentido das fibras. 

Agora que você já sabe identificar o sentido da fibra nos papéis, que tal saber um pouco mais sobre o tema?

Para isso, eu preparei com muito carinho um material fantástico em forma de e-book, que você poderá baixar gratuitamente deixando seu email no formulário ao final do texto. 

Após a leitura, se você achar que deve e gostaria de contribuir para que mais conteúdo gratuito seja disponibilizado, ajude a manter o blog fazendo uma doação de qualquer valor através do PagSeguro, clicando no botão laranjinha abaixo.

Espero que goste, não esquece de curtir o vídeo e assinar o canal. Sinta-se à vontade para compartilhar o link com os amiguinhos.

Beijitos



Preencha aqui para receber seu e-book

* indicates required




3 de jun de 2015

Conversa de café: O futuro menos machista de Mad Max Fury Road...

donna rita - conversa de café - O futuro apocalíptico de Mad Max Fury Road

Livre de Spoilers...
 
Querido leitor....

Hoje vim para tomar um cafézinho e falar de uma excelente experiência cinematográfica que tive por esses dias. Aliás, no dia do meu aniversário para ser mais exato. Não estava apostando muito, por isso fui assistir em uma segunda feira mesmo, aproveitei que era mais barato também. Estava meio desconfiado de início porque as últimas "revisitações" de antigas franquias foram horríveis. Oras, é só dar uma olhada no mais novo Duro de Matar, mais para duro de assistir...

Fui... Mergulhei de cabeça na loucura, no mundo caótico e apocalíptico de Mad Max Fury Road. E gostei demais, como gostei. Simplesmente participei, digo isso porque entrei naquele mundinho, de um excelente filme de ação. E digo mais, um filme que estabeleceu um marco definitivo para os filmes futuros nessa categoria.  Que venha cada vez mais.

Antes de adentrar as terras insólitas dos desertos de MadMax em busca de combustível tive de assistir o primeiro novamente. Não lembrava de muita coisa. Recordava um pouco do terceiro: da Tina Turner, da cúpula, da energia produzida através das fezes dos porcos, e daquelas crianças chatas. Sinceramente, nem lembrava muito bem do enredo. Buscando satisfazer essa minha necessidade, zapiei freneticamente pelos canais de televisão e não achei nada, estranho. Corri para a Netflix e nada. Não entendia o porque da não repercussão do primeiro filme nas principais emissoras, que costumam repetir massivamente em seus horários as versões antigas dos filmes que estão no cinema. Essa é a fórmula...

Não entendi até revisitar o "mundinho" do primeiro filme... 

donna rita - conversa de café - O futuro apocalíptico de Mad Max Fury Road 1

O MadMax de 1979 é uma "porralouquice" só, uma escrotidão sem fim, além de lançar Mel Gibson ao estrelato. Isso me surpreendeu, não esperava tanta loucura. Uma produção australiana totalmente underground de 400 mil dólares que resultou em uma receita um pouco maior que 100 milhões. Os diálogos espaçados, ás vezes sem nexo algum, são preenchidos por excelentes cenas de ação. Se é um pouco difícil de assistir talvez seja mais difícil ainda de compreender. E pra fechar, é um filme que acaba de repente. Aviso desde já que você precisa estar numa pegada bem cult para comprar a ideia. Talvez seja por isso que as emissoras jogaram esse sucesso no ostracismo. Pior para elas, e pior ainda para as gerações mais novas que perderam esse clássico.

A história se passa em um futuro não muito distante em uma sociedade decadente, porém não apocalíptica ainda, dominada por facções criminosas. O anti-herói, ou seja lá qualquer que seja a denominação que você queira dar, é representado pelo jovem Mel Gibson, Max. Um policial responsável por perseguir vagabundos nas estradas - mais ou menos isso. O interceptor em pessoa. O enredo de Mad Max se transforma no decorrer do tempo. Deixa a ação um pouco de lado para virar um suspense, até mesmo um filme de férias em família, e depois a ação retorna de novamente de maneira frenética. E para o nosso bom gosto, são várias as perseguições de carro.

Um filme testosterona - para homens - como qualificou minha querida esposa. Será mesmo? Até que ponto aquele mundo caótico seria um espaço frequentado somente por homens? 

A resposta é simples. Até o lançamento de MadMax Fury Road...

donna rita - conversa de café - O futuro apocalíptico de Mad Max Fury Road 2
 
Instaurou-se uma paradoxo. Um filme, até então, feito para homens cuja personagem principal é uma mulher. Como assim? 

A protagonista dessa nova trama é a fantástica  Imperatriz Furiosa, e digo central porque toda a trama passa por ela, tudo converge para sua figura. Max é apenas uma testemunha dos eventos que ocorrem naquele mundo.

Deixa eu ver se consigo explicar melhor. 

Desde o começo da franquia não há uma trama principal, não há um fio condutor, não há um pano de fundo - pelo menos é isso que eu suspeito. A personagem principal é o mundo e os eventos que ocorrem ali são testemunhados por Mad Max. Bom, alguém precisa ser testemunha para algo existir.

Max é o espectador, o testemunha, desse universo tão fantástico recheado de personagens mais fantásticos ainda. Pensa bem, o cidadão sempre está de passagem e nunca quer estar envolvido, mas sempre se envolve nos eventos. Com exceção do MadMax 3 em que o personagem realmente é o fodástico e domina todas as cenas, mas o terceiro filme é bem diferente dos demais, foge da fórmula. Em Fury Road o querido Max é uma testemunha, não que isso seja algo negativo, da empreitada de Furiosa

donna rita - conversa de café - O futuro apocalíptico de Mad Max Fury Road 3
 
O filme foge do tradicional machismo no sentido em que Mad Max tem menos tempo de tela que a Imperatriz, que é bem mais importante na trama que o protagonista da franquia. Aliás, é uma personagem extremamente forte, não no sentido físico. E as mulheres que aparecem são de fato importantes - a película não apela em nenhum momento para a "panicatização" do gênero feminino -, e fogem do estereótipo machista. Isso é bacana demais. Só lamento pelas pessoas que se incomodaram com isso. 

Bom, talvez esse seja o início de uma nova era de filmes de ação. Talvez não, só o tempo dirá. Mas até lá me contento em revisitar esse mundo fantástico novamente. Se o mundo tiver que acabar, que acabe no melhor estilo  Mad Max, e estou pronto para me converter e venerar o poderoso V8...

Este foi mais um post do Sr. Marido que escreveu e saiu correndo zerar Mortal Kombat X...

OBS* Se você gostou da conversa de café de hoje dê uma clicadinha nos títulos abaixo e veja o que rolou em outras conversas...


VINGADORES, ULTRON E MUITOS MIMIMIS...
OS 5 FILMES MAIS ASSISTIDOS DE TODOS OS TEMPOS, DESSA CASA...
MULHERES DA MINHA VIDA CINEMATOGRÁFICA...
CONVERSA DE CAFÉ: ROBOCOP 1987/2014...
5 FILMES E SÉRIES PARA VER NESSE FINAL DE FÉRIAS...
FILMES PARA O NATA EM FAMÍLIA, OU NÃO...
ROCKY: GONNA FLY NOW...

Abraços, bjsss, e um aperto de mão...



1 de jun de 2015

Minha vida com os gatos, e o calendário mensal do mês de junho...


donna rita - minha vida com os gatos

Hoje aqui, nesse post casa e família, resolvi escrever um pouco sobre minha afeição pelos gatos. Por esses seres pequenos e peludos que aprendi a amar. Meus companheirinhos de sono e de horas de games e filmes...
Confesso que é esse meu sentimento é novo, até então nutria um certo preconceito pela raça felina. Tinha na cabeça aquela ideia de que o cachorro era mil vezes melhor, mais companheiro – de fato, o cachorro é mais dependente, e isso é importante para algumas pessoas.

Não que os felinos me incomodassem, mas eles sempre me pareceram seres egoístas, manipuladores e independentes demais para o meu gosto - e hoje eu agradeço por isso. Junte tudo isso com o fato de eu nunca ter tido um animal de estimação antes - meus pais não gostavam, principalmente minha mãe, por causa da bagunça que a presença deles poderia causar. Isso não é um trauma, hoje até entendo, minha mãe era a única pessoas que limpava a casa. Por isso ela não queria a presença de mais um sujando. 

Bom, eu pensava assim até o primeiro gato aparecer nessa casa. E de quebra foi um gato preto, bom para acabar com todos os meus preconceitos animalescos de uma vez só. 

Shamira Pipa Preta... 
Já estava em começo de namoro com a Donna Rita - que aliás, nunca escondeu o seu amor por gatos e a vontade de adotar um – quando ela jogou no ar a possibilidade de adoção de um pequeno ser felino. É claro que eu falei sim, afinal de contas a casa era dela, podia fazer o que bem entendesse. E num belo dia quando cheguei em sua casa para nos encontrarmos, lá estava aquela criaturinha preta, sentada em seu colo em cima da cama. Saída diretamente da jaula de um petshop para dormir ali no colo da minha futura esposa. Uma verdadeira bolinha preta.

E assim foi meu primeiro contato com o mais estressado, mas não menos apaixonante, de todos os gatos dessa casa. Líder da raça felina que ambienta esse local. As vezes é um pouco difícil lidar com seu temperamento um tanto volátil, mas é um amor de pessoa. Um gato exemplar...

donna rita - minha vida com os gatos - shamira

Nina Frederica Peixoto Camargo...
Se o primeiro foi retirado de uma jaula em um petshop, o segundo foi encontrado em um lugar que as vezes pode ser pior: uma escola pública. A pequena Nina foi encontrada na escola onde Donna Rita leciona. E pensar que só foi necessário um punhado de arroz para atraí-la. Ela vivia por lá, inocente, com seus irmãozinhos até ser encontrada. Gato de muita gula e muita sorte, pois alguns meses depois envenenaram todos os gatos que restaram, infelizmente. Mas, hoje ela vive bem com seus outros irmãos. Brigam, brincam, comem e dormem... Eita, vida boa...

donna rita - minha vida com os gatos - nina


Rocky Balboa, Rockynho...
Depois de tanto adotar essas criaturinhas peludas, chegou a hora de eu e Donnra Rita sermos adotados. Em um dia do inverno eis que aparece um gato deitado no colchão do lado de fora. Um tanto machucado, tadinho, mas logo foi recebido com amor, comida e água fresca. Imaginei que ele fosse embora logo, ou até mesmo que morresse, mas continuou ali no colchão do quintal. Logo, já estava subindo na janela para pedir comida. Uma recuperação surpreendente.

Infelizmente, naquela casa não havia espaço para mais nenhum gato... Chegou o momento da mudança. Toda aquela chatice de fazer várias viagens com o carro a fim de levar todas as coisas. Eu e Donna Rita ficamos espantados ao saber que o gato ainda continuava lá no quintal da velha casa. Não deu outra, fomos adotados por aquele ser. E assim o levamos para Santa Isabel, para se juntar aos outros dois. A ele foi dado o nome de Rocky em homenagem a um dos mais icônicos personagens do cinema. Se você quiser saber mais sobre o Rocky do cinema CLIQUE AQUI. É o mais carinhoso de todos, o que mais bebe leite, diga-se de passagem.

donna rita - minha vida com os gatos - rocky


Remela Cristina...
E você acha que acabou? Esta história não poderia terminar sem antes falar da pequena Remela Cristina. Esse pobre ser foi o último gato a adentrar o nosso lar. Na verdade a coitadinha estava perdida pelas ruas aqui próximas de casa quando Donna Rita saltou do carro para salva-la. E o que era para ser temporário foi se tornando cada vez mais permanente. Logo, ninguém mais queria deixar Cristina para adoção e ela passou a ser o membro mais novo desse lar, e o mais bagunceiro, o que mais corre atrás dos irmãos e o que rasga papeis e espalha pela casa. Apelidada de demônio do Alasca, agora está aqui em definitivo... O engraçado é que ela apareceu bem em uma época em que estava falando para Donna Rita o quanto seria bom ter um filhote, branco de preferência...Vai saber...

donna rita - minha vida com os gatos - cristina
Tão pequena e tão monstrinho...

Bom, essa foi a pequena história dos quatro felinos que habitam essa casa. Há alguns momentos de estresse, mas maiores são os momentos de felicidade. E os gatos já são o dobro dos seres humanos, muito cuidado nessa hora. Estão todos felizes, saudáveis, morando em um lugar bacana e com emprego de modelo aqui no ateliê. Se você soubesse como eles curtem posar para fotos com os produtos... 

Esse foi mais um post do Sr.Marido que escreveu e saiu correndo comprar o leite dos gatinhos...

Se você acha que acabou está enganado. Se você foi forte o suficiente para chegar ao final dessa postagem será recompensado com o calendário mensal do mês de Junho, é só CLICAR E SER FELIZ...



© Donna Rita - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Donna Rita.
Programado por: Seis Mil Milhas.