25 de jun de 2014

Estou de mudança: dicas para a hora de empacotar


Antes de começar o assunto deste post, quero dizer a vocês que já estamos de casa nova e que ela já está totalmente habitável! Então, o prazo inicial, que seria a primeira semana de julho para estar com tudo no lugar, será adiantado com muita folga. Mas... Isso só foi possível por causa da nossa organização. Se você não leu o post anterior clique aqui e veja como foi que eu planejei esta mudança de ares.

A principal dica, não só para empacotar, mas para todas as outras fases de uma mudança (e muitas outras coisas na vida) é: anote tudo, faça listas! Uma checklist sempre vai te ajudar, pode ter certeza.
Mais uma vez, porque nunca é demais reforçar, eu estou compartilhando com vocês a minha experiência, o jeito como eu fiz a minha mudança. Então, nada do que é dito aqui é verdade absoluta e nem um manual de instruções a ser seguido a risca, ok? 

Eu decidi dividir minha casa por cômodos e estes cômodos, dividir por zonas. A ordem dos cômodos foi: sala, quarto, cozinha, banheiro, área de serviço e quintal. Não vou descrever como foi o processo de cada parte da casa, senão este post vai virar uma enciclopédia de tão grande... 
Garimpe nos supermercados, vendinhas e em outros lugares que você sabe que usam caixas e as descartam. Meu marido trouxe várias da escola, que iam para o lixo (eram da merenda escolar). O tamanho delas foi ótimo, caixas médias são as melhores já que acomodam bem vários itens e quando estão cheias, não ficam muito pesadas. Todos os fundos foram fechados com a técnica clássica de cruzar o fundo e reforçados com fita adesiva. E não economize nas caixas, você precisará de muitas e muitas!


Como eu disse, dividi cada cômodo por zonas, então a cada dia eu tinha como objetivo embalar um pouco de cada vez, dentro daquela área definida e isso deu certo tanto em relação ao tempo como na diminuição do estresse e cansaço. Você também pode definir sua meta em número de caixas, tipo 3 caixas por dia. Isso funciona bem se você começar a planejar sua mudança com antecedência.
Ao ir encaixotando aos poucos, pude colocar aquele destralhamento, adiado por tanto tempo, em dia. Já ia jogando papéis velhos, recibos de mil anos atrás e tantas papeladas e tranqueiras que vamos juntando, fora (lembre de separar o que pode ser reciclado). O que não era mais útil para mim, mas que podia ser para alguém, foi para uma pilha de doação. Foi um ótimo exercício de desapego e aumentou um espaço considerável na casa nova!

Voltando ao "encaixotamento", itens de muito uso devem ser encaixotados por último, seja em qual cômodo for. Quando você já estiver com uma caixa cheia, feche-a, mas ainda não lacre, pois sempre é possível que você precise de algo que não usa muito que já esteja encaixotado. 
É importante identificar todas as embalagens. Eu comecei usando etiquetas, mas depois de três caixas, comecei a escrever nas próprias o cômodo a qual pertenciam e o que tinha dentro delas.


Para embalar os objetos mais frágeis, usei as revistas que estavam na pilha de descarte, assim, reaproveitei o que provavelmente acabaria no lixo e economizei no plástico bolha.
As roupas e outros itens que estavam no guarda roupas, foram colocados em malas e o que estava em gavetas foi mantido nas gavetas, apenas cobertas com sacos plásticos ou lençóis, o que ajudou muito na hora de guardar.
As coisas de mais valor, como o computador por exemplo, foram desligados e guardados por último, utilizando mantas e toalhas para protegê-los. Esses itens de mais importância para mim, e outros como a pasta com documentos, foram transportados comigo, no carro.
Se você separar uma caixa com itens de "sobrevivência" para a chegada em sua nova casa, você deverá abri-las assim que chegar. Alguns pratos, copos, talheres, toalhas, lençóis, uma troca de roupa, panos multiuso, material de higiene e limpeza e outras coisas de primeira necessidade devem ser o "recheio" desta caixa.

Se você é da ala dos preguiçosos e pode bancar, contrate uma empresa de mudança. Com certeza seu guarda-roupas e sua geladeira vão te agradecer... Mas se você está na mesma ala que eu, dos faça você mesmo e sem tempo $$$, se organize e contrate um carreto com referências, de preferência com um ajudante (ou chame sua família e amigos) e que tenha um veículo em bom estado de conservação.
Não existe mudança fácil, nem que fosse uma mudança para a casa do lado. Sempre vai acontecer algo fora do planejado, mas estar organizado e preparado para isso, diminui bastante as chances de você se sobrecarregar com essa experiência. Desde o início a minha intenção era realmente diminuir o caos, por isso me planejei para testar se seria possível não enlouquecer com uma mudança e agora posso dizer: deu certo!

No próximo post eu venho falar do meu plano de ação para a arrumação, que também, modéstia a parte, deu super certo!

Beijitos!

24 de jun de 2014

Na cozinha: canjica com leite condensado


Agora eu enlouqueci de vez: me meti na cozinha e resolvi encarar o fogão!
Quem me conhece sabe que eu não sou chegada ao fazer gastronômico... Aqui em casa quem reina na culinária é o Sr. Marido, mas dessa vez eu não resisti. Noites frias e mês de junho me despertaram uma imensa vontade de comer canjica e já que a copa do mundo de futebol melou minhas festas juninas, eu tive que me virar!
E digo: foi tão fácil, tão simples, que eu fiquei me perguntando "por que eu nunca fiz isso antes?"
Então, se você também não é adaptad@ ao maravilhoso mundo da cozinha, não tenha medo, termine de ler este texto, o compartilhe nas suas redes sociais, tire seus dedinhos destas teclas e vá para a cozinha! Se eu consegui, você também consegue, tenho certeza.
Bora pra receita:

Ingredientes:
- 500 gramas de milho para canjica (eu usei o milho que já vem cozido, embalado a vácuo, já que eu faço parte da ala das "apressadinhas") 


- 1 litro de leite


- 1 lata de leite condensado


- 1 garrafa de leite de coco


- 1 pacote (50gr) de coco ralado


- Canela em pó a gosto

Só um adendo: eu não tirei essa receita de nenhum lugar, usei as dicas das minhas amigas fantásticas, Raquel, Gabi e Lucimara. Entre as opções que elas me deram, tinha até amendoim, mas eu optei por usar o que já tinha em casa e fazer uma versão mais simples. 

Modo de fazer:
Se você como eu, optou pelo milho já cozido, você vai pular a etapa do cozimento, mas como é mais comum o milho em pacote para ser cozido, vou descrever como deveria ser feito.
- Lave o milho e deixe de molho por no mínimo 4 horas. Você pode adoçar a água se quiser. Depois do tempo de molho, cozinhe o milho na panela de pressão com dois litros de água por aproximadamente 20 minutos ou até o milho ficar macio.
- Escorra a água. Acrescente o leite, o leite de coco, o leite condensado e o coco ralado.
- Deixe ferver por aproximadamente 25 minutos ou até engrossar, mexendo sempre para que não grude no fundo.
- Deixe esfriar e polvilhe a canela em pó.

E é só isso! Eu juro! Agora é só comer!
A foto desta postagem é da minha canjica mesmo...rsrs. Ficou bonita né? Bom, agora eu vou lá coner mais, porque além de bonita ficou gostosa e eu tô bem orgulhosa dessa minha aventura na cozinha...




Alguma dica para melhorar essa receita? Compartilha comigo! 

Beijitos! 


20 de jun de 2014

Curso de encadernação clássica

Olá, olá, olá! Como vocês já sabem, a mudança anda correndo solta por aqui... Mas hoje não vou falar sobre ela e sim sobre um dia muito bacana que tive esta semana.
No dia 18, eu tive a honra de fazer uma aula com a Mestra Orieta Vásquez, encadernadora e restauradora de livros desde 1985. Ela também fez parte do grupo que fundou a Associação Brasileira de Encadernação e Restauro (ABER). Foi uma manhã cheia de histórias, muito conhecimento e acima de tudo, muita alegria na Finesterre Urupês - Oficina FU, em São Paulo.
Mas, o mais bacana de tudo, foram as agradáveis companhias deste curso: minhas lindas amigas Raquel, Gabi e Milena. Nosso primeiro encontro "real" depois de muitos e muitos encontros "virtuais". A minha felicidade em conhecer pessoalmente essas lindas que fazem parte do meu dia a dia já faz quase um ano, é indescritível e só não foi maior porque faltou uma de nós, a Lucimara, que está de pezinho quebrado.

          Da esquerda para direita: euzinha, Raquel, Orieta, Gabi (atrás), Milena e Ricardo.

Essa amizade que surgiu da encadernação não poderia acontecer em um lugar melhor do que na Oficina FU, onde "a arte milenar de costurar livros, se mescla à cartonagem, patchwork, papéis artesanais e cria um mundo colorido e criativo" (citação retirada da página Quem Somos do blog da oficina. Clique aqui para conhecê-los). Fomos super bem recebidas pelo Ricardo e com toda a certeza voltarei lá para outros cursos e comprinhas muito em breve!

Aprendemos uma costura clássica, chamada de alternada, pois os cadernos são costurados, neste caso, de dois em dois, de forma alternada. Essa costura é recomendada para livros formados por muitos cadernos, pois costurado desta forma, o lombo do caderno não fica mais grosso do que o restante do livro.
Apesar de ser uma costura clássica, feita originalmente para ser encadernada com lombada, eu achei tão linda que assim que o ateliê estiver pronto, vou fazê-la com o lombo exposto, usando uma linha colorida. Aguardem! Aqui seguem as fotos do meu livro:


E aí, que vocês acharam?

Beijitos e até a próxima!

14 de jun de 2014

Inspirações

Enquanto a mudança está a mil e eu não consigo sentar para escrever os posts sobre ela, vou deixar aqui para vocês algumas fotos que eu achei no santo google e que estão servindo para me inspirar na arrumação do ateliê. Acho que não vai ficar tão lindo quanto estes, mas o que vale é a intenção, não é? rsrs.

 Daqui a ideia de uma bancada grande e das prateleiras de trilhos ao lado da janela.

 Amei o nível de organização. Varalzinho e baldinhos na parede são um máximo e possíveis no momento.

 Os cavaletes!


 As mesas em L e a cortina escondendo o que está guardado embaixo da mesa.

 Mais prateleiras...

Bom, essas são algumas das coisas que pretendo fazer, vamos ver se vai rolar.
Essa semana vai ser muito corrida, espero que sobre um tempinho para compartilhar as doideras boas que estão rolando por aqui.

Tenham um fds lindo!

Beijitos!



12 de jun de 2014

20 músicas para o dia dos namorados (e pra qualquer outro dia romântico ou de fossa em sua vida)

Música é sempre um bom ingrediente quando queremos criar aquele clima mais romântico ou mesmo mais "caliente".  Já que hoje é dia dos namorados eu selecionei algumas músicas pra dar uma mãozinha se você não souber o que colocar na vitrola. Você pode visualizá-las e ouvi-las no You Tube (lembrando que nem sempre o vídeo que lá aparece é o clipe oficial da música) e decidir se tem a ver com você e seu love e aproveitar o amor que fica no ar desta data.

Ah, eu tentei ser bem eclética, busquei músicas que eu nem gosto tanto, mas que alguém, em algum lugar pode gostar, entretanto se o seu gosto musical é voltado as canções da atualidade, sinto muito, esta lista com certeza irá lhe decepcionar... Neste caso, coloque sua cachola e vitrola pra funcionar e crie a sua lista. Se compartilhar comigo vou achar mais legal ainda!
Eu tentei não fazer dessa uma lista só com músicas da Janis, foi difícil...

20 – O meu sangue ferve por você - Sidney Magal Pode continuar lendo, apesar disso é uma lista séria
You Tube
19 – Me deixas louca - Elis Regina
You Tube
18 – The Reason - Hoobstank
You Tube
17 – Kozmic Blues – Janis Joplin
You Tube
16 – Sugar in my bowl – Nina Simone
You Tube
15 – Natural Woman – Aretha Franklin
You Tube
14 – Mondo Bongo – Smith Joe Strummer & The Mescaleros
You Tube
13 – Stormy Weather – Etta Jones
You Tube
12 – Moments in love – Art of noise
You Tube
11 – Red light special – TLC
You Tube
10 –  I’m Slave 4 U – Britney Spears
You Tube
9 – Impossible – Christina Aguilera feat Alicia Keys
You Tube
8 – Crazy – Aerosmith
You Tube
7 – Summertime – Janis Joplin
You Tube
6 – Só pro meu prazer - Leone
You Tube
5 –  Let’s get it on – Marvin Gaye
You Tube
4 – Nobody does it better - 8mm
You Tube
3 – Justify my love – Madonna
You Tube
2 – Fallin – Alicia Keys
You Tube
1 – Cry Baby – Janis Joplin
You Tube

A ordem não precisa ser exatamente essa, e tenho certeza que você achou que era brincadeira quando viu Sidney Magal, mas eu gosto, fazer o quê? rsrs. Você pode fazer outra lista, mas qualquer lista romântica/ sensual que se preze tem que ter Madonna e Fallin da Alicia Keys...

Espero que vocês gostem! E som na caixa!

Boa copa (e lembre que o jogo acaba cedo, celebre o amor) e um ótimo dia dos namorados! O Sr. Marido me convidou pra jantar hehehehe

Beijitos!

11 de jun de 2014

(Re)Organizando o ateliê

 Olá povo bonito do meu coração!
 Eu estou aqui, entre listas e listas de coisas a fazer. Desentulhando a casa para finalmente começar a embalar a mudança.
 Uma das coisas diferentes desta mudança, além da minha tentativa de organização, é que finalmente terei um espaço destinado somente para o ateliê e nosso home office e não mais um cantinho espremido na sala e outro na cozinha. Agora teremos um cômodo todo destinado ao trabalho e ao estudo, coisa que está me deixando super empolgada e cheia de planos.
 E para não comemorar este momento sozinha, vou começar a dividir os momentos de surgimento e organização deste meu novo cantinho, que espero, fique lindo e funcional.
 Tudo vai ser feito, como não poderia ser diferente, com muita mão na massa e com o orçamento curto. 
 Aqui as fotos de como está o espaço antes de começarmos a mexer nele:



Com o Sr. Marido entrando de gaiato, todo pimpão...

Sem o  Sr. Marido.
 Como vocês podem ver, a primeira coisa a ser feita é pintar. Como eu sou uma pessoa super clean, optei por manter a cor branca e assim poder colorir o espaço com outras coisas.
As manchas na parede eram de um vazamento da caixa d'água, que o antigo dono não dava muita atenção, mas já foi consertada e não teremos mais problemas com umidade.

Depois de ver milhões de fotos na internet e me inspirar em espaços lindos, voltei pra realidade e pensei em que eu precisaria neste espaço e no que eu poderia fazer $$$ neste espaço. Pensei em duas mesas grandes, dispostas em L e muitas prateleiras, está é a ideia inicial... Papel e caneta na mão, vou listar tudo que preciso, fazer uma pesquisa de preços e ver se realmente é possível fazer o que quero neste espaço.

Bom, por hoje é isso, na próxima vez que vier falar do ateliê, espero ter notícias sobre o que realmente será feito neste espaço.

E você, tem um espaço de estudos e trabalho na sua casa? Divide comigo como foi que você pensou nele e como o organiza.

Beijitos


9 de jun de 2014

Estou de mudança. E agora?


   É o caos. Encaixotar tudo. Desmontar tudo. Correr atrás dos gatos. Enfiar tudo em um caminhão (“cuidado com isso!”, “Não põe isso aí!”, “Não joga isso assim...”, “Ain...”). Deixar costumes e hábitos para trás, começar tudo de novo. Medo... Desembarcar tudo. Entrar com tudo (“onde coloco isso?”, “e isso?” “cadê os gatos?”, “onde você colocou a caixa de areia?”). Desempacotar tudo. Limpar. Organizar. Guardar. “Morrer, eu quero morrer! Jesus me leva!”
   É O CAOS!
   Ou será que dá pra ser diferente?
   Dá! Claro que dá! (“Obrigada Deus!”) Não se preocupem, não vou pedir pra vocês se inscreverem em um link e assistir meu vídeo com uma aula grátis sobre mudanças e depois comprar meu curso “Como mudar sem se estressar”! kkkkkk apesar de que seria uma ótima ideia, alguém aí compraria??? Kkkkk
   Na verdade, meu objetivo neste blog é relatar minhas experiências pessoais e ao dividi-las com vocês, talvez ajudar e ser ajudada de alguma forma.
   (Repito: são minhas experiências, coisas que têm dado certo comigo e que eu estou fazendo. Sendo assim, pode ser que com você não seja da mesma forma, mas a intenção é dar sugestões e abrir espaço para aprendermos mais e mais sempre.)
   Eu estou de mudança. De casa e de cidade. Já mudei diversas vezes (uma dessas mudanças foi de mais de 500Km de distância!!!) e sei que dá um mega trabalho e também sei que desta vez não vai ser diferente, vai dar trabalho sim, mas eu não quero que além do trabalho, a mudança se torne um aborrecimento ao invés de um momento bacana de recomeço.

E como eu pretendo fazer isso? Simples: eu tenho um plano!

Com meu caderninho e caneta na mão, respirei fundo e pensei em tudo que eu precisaria para me mudar:
  1. Organizar a casa nova (fazer as pequenas reformas que são necessárias, checar se tudo está em bom estado, se não há vazamentos, fios soltos, se todas as tomadas funcionam, se há ligações de telefone, internet, tv a cabo, providenciar consertos, deixar tudo limpo, etc.)
  2. Medir os cômodos da casa nova, incluindo portas e janelas. se você é bom de desenho ou sabe usar uma régua melhor que eu, pode fazer uma "planta" da sua casa nova, olha os rascunhos da minha, que lindas! kkkkkkk
 

    3. Medir os móveis e saber se todos vão caber nos espaços novos (mais uma vez eu me aventurei em fazer desenhinhos, já que eu sou das que precisam escrever pra entender) 



    4. Materiais para embalagem: caixas, sacolas, sacos de lixo, fita adesiva, jornal, canetinhas, etiquetas e tesoura. Eu costumo usar as malas e bolsas de viagem para carregar roupas e outros itens do quarto, assim economizo em caixas e as roupas já vão no jeitinho de voltarem para o guarda-roupas depois
         5. Para desmontar os móveis: chave de fenda ou parafuseira, alicate, martelo, etiquetas, caneta, fita adesiva (medir os móveis é importante nessa hora, pois só vou desmontar o que não passar pelas portas)
       6. Empacotar tudo (este item terá post só pra falar dele)
      7. Desmontar os móveis necessários (se passa na porta, tanto para sair, quanto para entrar na nova casa, economize trabalho e só desmonte o que for necessário)
        8. Marcar horário do carreto (que eu já pesquisei e escolhi anteriormente)    
        9. Plano de ação para a chega e arrumação (mais posts hehehehe).

         Pronto! Agora eu tenho um plano e com certeza isso diminuirá o estresse desse momento e vai fazer com que eu faça tudo com tempo e calma o suficiente para não me sobrecarregar .
         Esse planejamento começou no início de junho e pretendemos (eu e o Sr. Marido) estar com a mudança feita e tudo no lugar até a primeira semana de julho (estou vendo a cara do Sr. Marido me perguntando: como assim, todo esse tempo?) 
            Conforme os passos forem dados, eu vou registrar e compartilhar por aqui. Acho que vai ser uma experiência bacana para mim, colocar a prova minha capacidade de organização e também se essa organização faz diferença. Será um aprendizado muito legal e eu espero, de verdade, que todas essas ações me ajudem ter uma transição mais tranquila, sem que tudo vire um caos...
        
            Você conhece outras dicas para fazer uma mudança tranquila? Divide aqui comigo, com certeza eu vou adorar e quem sabe, colocar em prática.

              Beijitos! 

8 de jun de 2014


   Eita que fazia tempo que eu não fazia a postagem de domingo... rsrs. Prometo que vou tentar ser mais assídua com elas, afinal aqui é o espaço para dividir coisas legais que eu vejo por aí durante a semana com vocês. E olha só, eu aceito sugestões viu! Deixe suas sugestões nos comentários ou pela guia "Contatos" ali em cima, no menu.
   Mas chega de falação e vamos aos links de hoje:
  • Pessoas que não conseguem acordar cedo - e eu achando que eu tinha algum problema sério, mas não, sou apenas uma pessoa B!
  • Respeito é bom e a gente gosta - porque falar de ética, educação e gentileza nunca é demais.
  • Via rápida emprego oferece cursos de artesanato na capital - Essa é uma dica muito boa para quem está precisando de uma forma de gerar renda. É um programa do Governo do Estado de São Paulo que oferecerá cursos de diversos tipos de artesanatos, com bolsas-auxílio para quem estiver desempregado. Compartilhem com quem se encaixa nos requisitos e aproveitem porque não é sempre que o governo faz algo que preste...

5 de jun de 2014

Couro, couro sintético ou couro ecológico? Afinal, qual a diferença?



   
  Recentemente, no mês de maio, eu assisti a um curso de encadernação da Tereza Pires em que ela falou bastante da busca de materiais alternativos para a encadernação, nessa pegada mais ecológica, voltada a sustentabilidade. Isso me fez refletir sobre meu processo de produção e desde então comecei a fazer algumas pesquisas relacionadas aos materiais que eu uso em meus trabalhos.
   Quero deixar claro que estou compartilhando com vocês os resultados das minhas pesquisas e que o que eu escrevo aqui é minha opinião, não detenho a verdade e nem é essa minha intenção. O objetivo é realmente compartilhar meus achados e minha postura diante do meu trabalho, ou seja você tem todo o direito de concordar, discordar e deve pesquisar também e tirar suas próprias conclusões.
   Eu procuro não usar couro em nenhuma das minhas peças e isso é uma opção pessoal minha. Não uso roupas de couro e nenhuma outra peça deste material. Apesar disso, não sou radical e antes que você pergunte, sim, eu como carne e sei que minha atitude de não usar couro não vai acabar com a morte de animais, até porque as pessoas continuarão comendo carne e o couro é um subproduto do corte. Bom, mas não é na questão alimentar que vou entrar...

   O couro é a pele curtida de algum animal, que depois deste processo, não vai mais passar pela decomposição. O processo de curtimento é composto por várias etapas que usam diversos produtos químicos, inclusive, metais pesados. Depois desta etapa de curtimento, ainda existem outras, como tingimento e secagem (saiba mais AQUI). 
   No lugar do couro, a minha opção sempre foi utilizar o “couro sintético”, que inclusive eu compro com este nome. Mas durante esta minha pesquisa, descobri que existe uma lei que proíbe o uso do termo “couro” para qualquer produto que não seja exclusivamente de pele animal (a Lei  é a nº 4.888, que é vigente no Brasil desde 1965).
   E aí surge o problema, o que chamamos de “couro sintético” também não é nada amigo da natureza. A maioria dos materiais assim denominados são produzidos com PVC, um derivado do petróleo!!! Então, só podemos considerar um material feito de plástico, ecológico, se ele estiver sendo feito com plástico reciclado.

   Minha opção pelo “couro sintético” para tentar ser mais “sustentável”, caiu por terra...

  Pensei comigo então: “ok, me resta ainda o tal do “couro ecológico”... Fui atrás e para minha surpresa couro ecológico é couro! Oi? Como é?  O couro chamado de ecológico também é produzido com pele animal, principalmente a pele de bovinos, mas a diferença está no processo de curtimento, que utiliza materiais biodegradáveis e naturais como alternativas menos poluentes, porém alguns especialistas dizem que todo tipo de curtume, gera algum poluente...

   Bom, depois de tudo isso, confesso que fiquei um tanto encafifada em relação ao uso destes materiais... Eu não nego que os trabalhos com couro, qualquer um deles, ficam lindos e eu tenho usado tiras de “couro” sintético em algumas costuras aparentes (como a da foto de abertura deste post) e amo o resultado, mas agora preciso processar bem essas informações e optar pelo que melhor corresponda ao meu objetivo de contribuir de alguma forma com o meio ambiente e poder usar o termo “sustentável” de forma efetiva e não só como um apelo comercial duvidoso...

E você, também tem essas preocupações? Vou gostar de saber sua opinião.

Beijitos.

UPDATE: desde o mês de maio de 2015, estou utilizando couro de descarte para fazer algumas peças, como sketchbooks e fechos de alguns cadernos. O couro de descarte é aquele não utilizado pelas grandes empresas, por serem sobras ou por terem defeitos. Sei que o fato de ser uma forma de reaproveitamento não muda a forma como o couro é produzido, mas a opção é por utilizar um material que seria descartado, ou seja, que é lixo...
_________________________________________________________________________________
Alguns links pra você saber mais:


4 de jun de 2014

Motivação: como encontrar?




   Primeira coisa que quero dizer neste texto e sei que vai parecer contraditório com o título e com o resto, mas é a conclusão que tirei deste processo em que estou vivendo: a motivação não é algo que está fora de você, é algo que vem de dentro e portanto ela está EM você e só precisa ser despertada.
Eu podia terminar este texto por aqui e já estaria bom, porém quero compartilhar com vocês o processo e não só as conclusões.
   No texto passado (se você não leu, leia AQUI) falei das mudanças e de como eu faria pra começar a colocá-las em prática, mas assim que comecei, já me vi reclamando, bufando, achando que nada ia dar certo e todas as reclamações ranzinzas que eu vivo fazendo coitado do Sr. Marido que me aguenta – te amo amor!
E foi neste ponto que parei, respirei e me perguntei “por que estou fazendo isso, qual é minha motivação?”
   Percebi que a parte mais importante desta caminhada é ter um “porque” pra ela. Ter um objetivo claro, que seja lembrado sempre que eu começar a reclamar me parece ser um bom caminho para encontrar a minha motivação e voltar para o prumo.
  Então, eis aqui minha árdua tarefa: definir minhas prioridades para poder executar as tarefas/mudanças necessárias para fazê-los acontecer. E para definir estas prioridades, precisei me fazer muitas perguntas... Já já vamos a elas, antes vou voltar um pouquinho no tempo...
   Em janeiro, li estes dois textos (este "Para 2014" da Tais Godinho e este "Palavra para 2014 - Serenidade" da Rita B. Domingues) que me identifiquei muito, até compartilhei por aqui, em algum lugar. Na época, apesar de ter me identificado, eu achei que ainda estava no controle de tudo e já que era início de ano, tudo seria diferente, como se tudo se organizasse magicamente e que neste ano, minha rotina não me engoliria. Doce engano...
   Voltando para o presente e retomando a leitura e reflexão sobre estes textos que citei (que se vocês ainda não leram, estão esperando o quê?) , comecei a me fazer algumas questões que deveriam servir para descobrir minhas prioridades e então encontrar os meus “porquês”!
   Não sou muito boa para planejamentos de longo prazo, então resolvi não ir muito longe nestes objetivos, até porque as coisas estão se acalmando agora e sei que os rumos que quero seguir em longo prazo ainda não estão muito claros...
   Meu objetivo mais próximo é: mudança de casa e de cidade. Por que quero isso? Porque precisamos de mais espaço e conforto, temos que começar a fazer um pezinho de meia (para os tais objetivos de longo prazo, talvez...) e eu preciso de mais espaço para o Donna Rita. Outro objetivo é fazer somente aquilo que me der prazer, retorno (não financeiro somente) e que não leve minha saúde junto. Quero isso porque sei que sou muito mais feliz quando estou fazendo algo que parece importante para mim, mesmo que o retorno financeiro não seja o que eu mereço e principalmente porque detesto estar/ficar doente e isso vinha acontecendo com muita frequência no último ano...
   Enfim, para mim, estes dois objetivos estão intrinsecamente ligados e fazem parte de uma corrente que eu começo a trançar. Desses objetivos maiores, vou tirando os menores, que são mais mensuráveis e visíveis, já que ver os resultados é um grande motivador para se seguir em frente.
   Sei que o texto já está enorme, mas depois de ter claro o que pretendo, surgiu uma outra questão: o que estou fazendo agora para chegar onde desejo? E é aqui que o bicho pega...
   Cri-cri-cri...
   Além de reclamar, que não vou parar mesmo, criei uma lista de tarefas que precisam ser realizadas. Listei todas mesmo, até as mais bobas como “lavar as meias” (sim, eu lavo as meias separadas das outras roupas e blá, blá, blá...), depois disso fui definindo prioridades que me levariam até o ponto onde eu quero chegar (estar com o cesto de roupas vazio no dia da mudança de casa será de grande valia... só para responder quem estava se perguntando o que meias sujas tinham a ver com isso). Também faz parte da lista estudar sobre empreendedorismo, marketing e design, então se isso me levar onde quero chegar, é listado como prioridade e eu preciso achar um tempo para fazer. Acho que já deu pra entender, né?
   Bom, no final a ideia é, toda vez que você se desviar do seu objetivo lembre-se do seu motivo. Esse motivo deve ser forte o bastante pra te colocar de volta no caminho e só você pode saber se é ou não é forte o suficiente e só você pode defini-lo. Como eu disse no início, a motivação está em você e se sua motivação for supimpa (a velha), você deixará a procrastinação de lado e começará ver os resultados que espera.

   Pra terminar, uma frase de inspiração, que tem sido útil nesses dias velados que passaram por aqui:

“Você não precisa de tempo – você precisa se decidir” Seth Godin

   E você, tem encontrado motivação para alcançar seus objetivos? Compartilha aqui comigo, vou gostar de mais sugestões.

Beijitos

2 de jun de 2014

Repaginada!


E a primeira novidade do mês é a repaginada na nossa logo!
Eu não paro de pensar um minuto no que pode melhorar por aqui e este foi um dos passos que estamos dando este mês rumo as boas mudanças.
E aí, o que você achou?

© Donna Rita - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Donna Rita.
Programado por: Seis Mil Milhas.