26 de jan de 2014

Aos domingos #4


Imagem: Google imagens

    Hoje o post domingo será um pouco diferente... Ao invés de linkar textos legais de outros sites, hoje será um texto daqui mesmo, então entre e fique a vontade!
    Este texto que vocês vão ler é resultado de várias conversas de bastidores entre a Mãe do Japinha e a Donna Rita, que no momento vós fala. A maior parte dele foi escrito pela Mãe do Japinha, a doce e enlouquecida Raquel, que se propôs, como sempre, a me ajudar! Quero que fique claro que é um desabafo e expressa a nossa opinião. Você não é obrigad@ a lê-lo, nem a concordar ou discordar, mas ficaremos felizes se você conseguir lê-lo por inteiro e que te faça refletir, nem que seja um pouquinho, sobre suas ações, seja no mundo real, seja no mundo virtual... Boa leitura!!!

 Desabafo a 4 mãos: Ética, respeito e educação. Por que você acha tão difícil ter? 

    Eu sou quase quarentona e tive uma educação muito diferente das gerações que vieram depois da minha e agora me pergunto: “Por que as mães da minha idade não educam mais seus filhos só com o olhar?”
    Minha mãe até hoje se acha no direito de nos chamar a atenção, minha e de meus irmãos, em público, esteja quem estiver por perto, basta sair um palavrão da nossa boca... “Quem é ela pra falar assim comigo, eu que sou mulher velha, mãe de outro ser?” Aí me lembro, ela é minha mãe e tem mesmo o direito de nos endireitar até o final de nossas vidas! Pois é exatamente este comportamento dela que me trouxe até aqui. Ela me educou com o olhar e me disse que certas coisas não seriam aceitas sob nenhuma circunstância.
    Óbvio que eu me rebelo, xingo, resmungo e revido, mas em 100% das vezes que fui chamada a atenção, eu não estou fazendo mal a ninguém: não me aposso de nada que não seja meu e tento ao máximo ajudar, mesmo quando nem fui solicitada... Às vezes pega até mal, mas quando vejo já me meti na conversa do outro entregando a caneta que ele diz precisar ao telefone ou indicando o caminho certo quando nem fui perguntada... Acontece gente! Meus ouvidos ouvem e meu cérebro manda meu corpo fazer... Essa é a tal da “vida real”, o meu dia-a-dia... Mas aí...
    ... Eu me deparo com a internet! Esse universo paralelo e tão presente em nossas vidas, tão singular e tão múltiplo, que abriga tanta coisa bacana e: Tanta gente sem noção!
    Pelos becos e avenidas internéticas que navego, me deparo diversas vezes, isso que você leu mesmo, diversas vezes, com gente que USA fotos de outros sites e publica na sua página ou no perfil do Facebook sem dar os devidos créditos! E pior, têm a pachorra de dizer que "estava na internet"! Meu povo, internet tem dono também, não é terra de ninguém, ao contrário, é terra de todos e por isso tem cópia sem permissão, violação de direitos e mesmo que você não saiba, também já tem legislação e até alguma cadeia para seus atos fora da lei! Isso mesmo, internet não é terra sem lei! Não é campeonato de Vale Tudo (que nem vale a comparação, porque também tem regras !!!) Pra quem acha que não estou falando sério, dá uma olhadinha aqui, Lei 9610/98 ela existe!
    Há uns cinco anos, eu enviei um email a uma artesã, com a qual eu tinha algum contato, avisando que o grupo dela no velho e falecido Orkut havia postado uma foto sem crédito, foto essa que pertencia a uma famosa artista americana do ramo e de quem eu tinha o livro com as imagens e os créditos. Sabem o que ela fez? (aí você pensa, foi lá e deu os créditos a artista que estudou, perdeu tempo, investiu dinheiro para ter aquele trabalho fotografado e colocado na internet, só que não) Fofoca! Ficaram de mi-mi-mi dentro do tal grupo e ficaram falando mal de mim no orkut em mensagens abertas.
     Oooohhhhhh!!!! Que mundo mal!!! Se espantou? Mas que valores são esses que se invertem? Bem que vira o mal... Pois é, pra elas era muito natural SE APROPRIAR da imagem alheia e colocar em seu site, porque pegaram na internet. Gente, ninguém PEGA nada na internet. Tudo ali tem dono. E o dono está vinculado de alguma forma ao site de onde a tal imagem / texto / vídeo está sendo divulgada. É muito fácil de saber quem são, simplesmente buscando a origem da postagem. Fácil? Nem sempre... Esta prática da apropriação já está tão arraigada que às vezes fica difícil achar de onde realmente veio aquela informação...
    Junto com os APROPRIADORES, tem os SEM NOÇÃO, que, aliás, são maioria nas redes sociais. Estes CERUMANOS postam declarações abertas que vão dar print, gravar com suas câmeras, celulares e smartphones, as aulas transmitidas de graça, de um curso que depois será comercializado. E não é só isso, diz isso na página de divulgação do tal curso! E mesmo dizendo que vai assistir e se apropriar indevidamente do curso, ainda detona dizendo que prefere aulas presenciais... Oi? Como? Eu li bem? Será possível? Mamãe não te deu educação?! Nesse caso, acho que só a amputação de ambos os braços resolveria o caso da meliante...
    E além disso, é um tal de oferecer a revenda de curso, dividir senha com a galera pra rachar custo, repassar arquivo com direito autoral, não usar as licenças comerciais de shapes da internet, vender o que é feito para uso pessoal... E tudo isso na cara dura, no post de divulgação do curso ou no grupo onde está escrito claramente nas regras que não se pode compartilhar tais e tais arquivos! Câmbio, Terra chamando!
     Lei no Brasil é uma coisa que não entra na moda mesmo. São diversas práticas culturais que já estão tão difundidas que todo mundo acaba achando normal. A nossa Constituição serve mais de enfeite e para dar nó na língua com seu vocabulário tão rebuscado e excludente, ou ainda, pra safar da cadeia os SAFADOS deste país, do que como diretriz de conduta coletiva. Cansei de ver gente entrando em loja pra "investigar" um produto pra copiar. Não se dá o trabalho de ao menos comprá-lo pra pesquisar no aconchego de seu lar, e ainda é capaz de pedir informações para quem fez sobre o funcionamento ou a execução do produto. Peraí, repete? Vou explicar melhor: gente que entra na página VIRTUAL de trabalho REAL de um artesão e fica postando comentários com outras pessoas sobre como copiar o artefato “tão lindo” e claro, vender mais barato! Porque afinal, este cerumano não teve trabalho algum em criar. E acha normal tamanha FALTA DE RESPEITO, EDUCAÇÃO E DECORO. Mas fica bravinha quando recebe o mesmo golpe ou outro golpe qualquer.
    (O texto já está enorme, mas preciso continuar... Pode fazer uma pausa e tomar um água, mas volte que é importante.)
    Eu devo estar mesmo maluca. Ontem meu filho tomou um tapa no parquinho, de um menino com quem estava brincando, sem motivo algum. A mãezinha do pequeno agressor estava ao lado, mas não disse “PI”. Eu fiquei esperando a reação dela, afinal o filho bulling era o dela, mas a fofa fingiu demência e fez de conta que nem sabia sobre o que meu filho gritava em alto e bom som: "Mamãe ele me bateu!"
    Acalmei minha cria e fiquei em cima, como um urubu. Quando o moleque colocou a novamente a mão no meu filho, querendo impedi-lo de passar, gritei para todos ouvirem, puxando meu Japinha: "meu filho, não quero que você brinque mais com esse menininho porque a responsável não toma conta dele. Mas se quiser brincar com aquele outro menino, você pode. Esse aqui não.”
    Os outros adultos do parque disseram que esse é um menininho que sempre está envolvido em confusões e que ninguém nunca briga com ele. Ele bate, empurra e fala que tudo dele é melhor e tudo de todo mundo não é bom. Vejam bem, a criaturinha não tem cinco anos! Pode até ser que ele tenha jeito no futuro, ou não, mas o que é educar hoje em dia?
    Meu filho tem quase quatro anos. Desde seu nascimento eu abri meu escritório em casa. Ele vai a creche por seis horas diárias e o resto do tempo está comigo ou com o Pai. Sei que nem todo mundo pode abrir um negócio, trabalhar em casa ou abrir mão da renda para o sustento da família. Mas o que mais vejo por aí são pais sem paciência para educar. O pensamento parece ser o seguinte: Meu filho quer e se eu der ele vai me deixar ver tv /dormir/facebookear, então... Toma agora, vai lá! Os pais não estão se dando conta do estrago que estão fazendo.
    E não é só dos que estão fora o dia todo, vejo muitas mães que ficaram em casa, têm empregada todo dia, algumas com babá, e nem por isso tomam a atitude de intervir nas horas necessárias. Segue a experiência... Outro dia uma amiga veio até minha casa com seus três filhos e a babá. O filho nº 2 resolveu brincar com as massinhas do Japinha e resolveu que seria legal misturar todas. Como aqui em casa não funciona assim, expliquei: aqui na minha casa as massinhas começam e terminam a brincadeira na mesma cor, que elas não se misturam. E aí, entra a santa interferência da mãe do artista: Ah, mas eu tenho três filhos (ênfase no sofrimento da criatura, como se a tivessem embuchado contra sua vontade) e lá em casa, pra conseguir paz, todas as massinhas são cinzas!”
    Silêncio. Eu juro que engoli seco... Eu podia ter dito um monte de coisas, mas pensei que ela deveria estar mesmo muito cansada com três filhos e a babá (lembrem-se do sofrimento) para que CARADEPAUMENTE me respondesse e interviesse com tamanha FALTA DE RESPEITO dentro da minha própria casa. Eu recolhi a massinha, porque O MEU FILHO não pode arcar com a falta de modos dos outros. Meu filho tem direito a brincar com a massinha azul, verde e branca. O filho dela que se limite ao cinza... Pena que só consigo garantir isso aqui na minha casa, com minhas ações. Quantos de nós não estamos nos limitando ao cinza da falta de educação e falta de consideração com o próximo? Quantos não estamos vivendo no cinza do egoísmo e hedonismo?
    Educação é algo que se recebe. Mas que também se conquista. Então você pode mudar, a qualquer momento! Meus pais me ensinaram a pedir desculpas e com o passar dos anos percebi que quanto mais desculpas eu pedia, mais fácil seria para pedir na próxima vez que precisasse. Tem gente que não sabe pedir desculpas e nem dizer obrigada. Outro causo: um dia desses uma cliente, que há uns meses me deu o maior passa fora mega grosseiro e eu tive que entubar, me ligou numa linda tarde de domingo pedindo ajuda no preenchimento de um formulário. Ok. Por quê não? Depois que eu a orientei, ela abriu sua boquinha abençoada e disse: "ah é, tava bem aqui, eu que não tinha marcado essa opção, tchau!". Tchau. Tchau? Como assim tchau? Não tá faltando nada não? De nada pra você também!!! Agradecer pra quê?! Deve dar um trabalho imenso falar todas essas QUATRO sílabas: O-BRI-GA-DA!
    Por favor então, nem se fabrica mais! Artigo raro, está sempre indisponível no estoque. Eu repito toda vez pro Japinha quando ele me pede algo: e tá faltando o quê ? Aí ele diz: o POR FAVOR. É chato? Sim, muito. Dá trabalho? Sim, pra cacete. Mas e daí? É assim que ele vai aprender a dizer por favor quando pedir algo pra alguém. SEMPRE!
    E aí está onde eu queria chegar. Acho que isso falta isso aos pais e mães de hoje: o trabalho de educar. Dar brinquedos é muito bom, a criança acalma e nos deixa em paz, fica feliz por cinco minutos... Mas e depois? Depois ela vai se apropriar do trabalho alheio na internet como se fosse de ninguém; vai bater no amiguinho sem motivo; vai pegar o que quer e sair sem agradecer; vai te vender uma mercadoria e não te entregar; vai deixar o idoso em pé no transporte público; vai achar normal dizer mentiras; vai achar legal tirar proveito de todas as situações; e vai e vai e vai.
    Porque todo mundo reclama quando toma uma fechada no trânsito,mas se acha o maior dos malandros quando recebe um troco a mais na padaria e vai pra casa com "lucro". Falar do outro é muito fácil. Olhar pro umbigo e mudar é difícil pra caramba. Mas é como dieta, reeducação alimentar, fazer exercícios, trair e coçar: é só começar ! Tente uma vez por dia intervir na mal criação do seu filho ficando um tempo com ele ao invés de largá-lo no parquinho sem supervisão. Ou peça “por favor” a sua secretária, empregada doméstica, síndico, marido, irmão, mãe, que já não são escravos de ninguém há mais de cem anos! Sorria para o frentista quando for abastecer o carro, agradeça ao porteiro quando ele segurar a porta, diga bom dia, boa tarde e boa noite! Eu vejo tanta gente reclamar que fulano não faz e quando vamos ver mais de perto, o reclamante fez menos ainda! Eu adoro entrar numa empresa nova e ouvir que beltrano tem a maior má vontade pra ajudar. Fato suspeito é que nunca fiquei na mão com esses beltranos folgados. Será que é porque simplesmente usei as palavras mágicas que enfeitiçam o sujeito, ditas em um ritual ou foi porque fui educada e coloquei em prática a noção de respeito que tenho para pedir o que precisava? E depois consegui novamente, pois desde a primeira vez que fui ajudada recompensei com gestos simples, como oferecer uma fatia de bolo no lanche da tarde.
    Precisamos dividir o que é nosso e não somente aquilo que PEGUEI na internet. Me assusta e entristece perceber que a cada dia me deparo com mais gente mesquinha, pobre de espírito, usurpadora, egoísta e folgada. Eu e todo mundo, certamente!
    E por isso vou perder minha fé no próximo? De jeito algum!
    Continuo assando bolos para os amigos e ajudantes, distribuindo por aí, com sorriso no rosto. Tem dia que a bandeja demora a voltar. Tem dia que volta cheia de novas gostosuras. E tem dias, infelizmente, que volta com fel... Paciência! Tem gente que não sabe dar porque não está acostumada a receber. Insista! Nem que seja sua "vingança pessoal": A vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena vou amolecer essa pessoa irritante!!! Kkkkkk Use como um mantra! Coisas simples mudam um dia, seja o seu ou de outra pessoa. Se todos se esforçassem pra fazer uma pessoa qualquer feliz por dia, o mundo não estaria o caos que a gente vê por aí. E eu e a Donna Rita não estaríamos escrevendo este texto gigante pra expor o que nos incomoda tanto!
    E por último, pracabá, pedimos encarecidamente, por obséquio: Sorria quando for falar com alguém! Não custa nada e se ainda assim você achar que é muito sacrifício, lembre-se que o sorriso ajuda a manter a pele do rosto elástica. Então você vai sorrir pro seu próprio bem e economizar com as plásticas!

Comentário(s) pelo Facebook:

15 comentários:

  1. Concordo plenamente com tudo dito aqui, sou da época do obrigada, por favor, me da licença, desculpa e etc, passei esses valores pros meus filhos, um dia meu filho hoje com 08 anos foi chamado de bobo na escola por um amiguinho. A seguinte frase foi vc e tão bobo pq pede da licença e obrigado toda hora, oi .... como assim, meu filho bobo por ser educado. O que me deixa feliz e ouvir das pessoas e professores como meus filhos são educados. Consegui passar esses e outros valores para eles, que não se vendem em esquinas, obrigada meninas por ser porta voz de palavras presas na minha garganta a algum tempo bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma luta de todas nós e eu vejo todo dia a falta de educação dentro da escola e quanto nós professores valorizamos àqueles que tem valores familiares. Fazendo nossa parte alguma coisa há de mudar um dia!

      Excluir
  2. Meninas, amei o texto muito pertinente...felizmente não só eu me sinto uma estranha no ninho, Assim como vc Raquel fui ensinada a respeitar a todos independente de credo, cor ou condição social, e hoje infelizmente respeito, educação e gentileza...estão cada vez mais distantes do nosso dia a dia, tenho uma filhota a qual tento da melhor forma possível passar o que me foi ensinado, e hoje é minha maior meta, transforma-la numa pessoa melhor.
    Obrigada pelo texto maravilhoso !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita Jocimeire! E acredito que através da educação alcançaremos pessoas melhores e espero que em um futuro próximo.
      Bjo

      Excluir
  3. Nesse texto que vcs duas nos presentearam, resume td o que eu tb penso. Tb fui EDUCADA a moda antiga, mas que sempre funcionou para me abrir as portas e me fazer me sentir como um ser humano melhor. Tenho dois filhos (um com 25 anos e o outro com 23 anos) e graças a Deus consegui transmitir para eles tudo o q me foi ensinado pelos meus pais. Espero que meus netos tb recebam essa educação .Bjs para vcs duas, que são umas lindas ,mas principalmente para o Japinha ,rsrsrsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luciane, agradeço a visita! E fica claro que quando fazemos nossa parte notamos diferença, você conseguiu colocar pessoas melhores no mundo e é isso que desejamos para as próximas gerações, pessoas melhores para criar um mundo melhor!
      Bjo.

      Excluir
  4. concordo em genero numero e grau, fui criada a moda antiga com minha avo, tenho 3 filhos 25, 23 e 20, criei-os para serem felizes, independente, mas principalmente serem homens honestos, com amor ao proximo etc etc, qdo dormiam na casa do amigo, as maes falavam, nossa ele e muito educadinho etc etc, em casa as vezes abusavam, mas sabiam que nao estava correto, pq a semente ja havia sido plantada, sempre depois que almoçavam, levavam o prato ate a pia, e hoje lavam, qdo um amigo deixava na mesa eram eles mesmo que cantavam "prato nâo tem asa'' é assim; mesmo que um dia eles não colocarem em pratica o que ensinamos temos a certeza de que fizermos a nossa parte e a boa semente sempre germinará.... parabens pelo texto, que ele possa alertar as gerações futuras... bjus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela visita Roseni.
      Concordo com você, o ponto crucial é que cada um aprenda a fazer sua parte, para juntos criarmos um melhor coletivo. Obrigada pelo carinho.
      Bjo

      Excluir
  5. Nossa, demorei muito pra ler este texto MARAVILHOSO. Tenho 28 anos mas fui educada de um jeito que bastava o olhar da minha mãe e já sabia se podia ou não fazer algo. Hoje ainda não tenho filhos mas tenho um afilhado que foi na casa dos meus pais e meu pai oferecendo bolacha ele olha pra mim esperando se pode ou não aceitar... Vi aquilo e pensei... Meu Deus ele é educado kkk tô conseguindo... Hoje adoro encontrar Gari na rua e dar um bom dia, boa tarde, eles tem até receio de responder porque será? Das milhões de pessoas que passam por eles quantas se preocupam em cumprimentar? Nossa já escrevi muito mas Raquel assim como vocês fico indignada pois pego metro diariamente e a fila da escada rolante tem que ser respeitada mas sempre tem aqueles que entram na frente na ponta da escada... Ôooooo povinho, depois reclama do Brasil, dos políticos... Começa da gente!! Obrigada por este texto AMEI e compartilho 100%

    ResponderExcluir
  6. Adorei!!! Vejo q tivemos a mesma criação e tbm temos o mesmo pensamento....Sou mãe de 3 filhos (13, 3 e 1) e graças ao meu bom "DEUS" consegui com muito custo trabalhar em casa tbm, assim cuido ñ só da alimentação deles, como tbm horários e "EDUCAÇÂO" p/ q eles se tornem pessoas de bem no futuro.
    PARABÈNS!!! um ótimo post

    ResponderExcluir
  7. Concordo, pois sei que cada dia que passa o ser humano anda mais egoísta e egocêntrico. Infelizmente muitos pais esquecem que a educação vem de dentro de casa e a escola somente orienta e melhora a educação que se aprendeu com os pais. Parabéns!!! Me sinto assim como vocês, e também não perdendo a fé nas pessoas.
    Beijos!!!!!

    ResponderExcluir
  8. AI MEU DEUS ....TEXTO MARAVILHOSO...REFLETINDO SOBRE TUDOOO AQUI....MINHA MÃE NOS EDUCAVA DA MESMA FORMA BASTAVA UM OLHAR E PRONTO JÁ ENTENDÍAMOS O RECADO.....MAS APESAR DE TODOS OS DESALENTOS DO AIA A DIA COMUNGO COM VOCÊ DE QUE NÃO PERCAMOS A FÉ......BJOOOO NO CORAÇÃO E FICA COM DEUS

    ResponderExcluir
  9. Adorei o texto e concordo com tudo dito aqui, foi assim que aprendi também, sou da epoca que se pedia a bênção aos pais e parentes e se beijava a mão. Mas graças a Deus passei a mesma educação aos meus dois filhos. Quanto a acharem que nossos filhos são bobos, infelizmente eles acham mesmo, dizem ate que meus filhos não sabem conversar, pois não usam tanta giria. Mad é muito reconfortante saber que ainda existem muitas pessoas educando seus filhos.

    ResponderExcluir

Parece clichê, nós sabemos, mas é a mais pura verdade: seu comentário é muito importante para nós! Então não se reprima e diga o que você pensa! Caso queira ter uma conversa mais longa, fique a vontade para nos enviar um e-mail. O endereço é esse aqui donnarita.artesemimos@gmail.com E lembre-se: sinta-se em casa!

© Donna Rita - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Donna Rita.
Programado por: Seis Mil Milhas.