3 de dez de 2013

O mistério da precificação .........

     Queridos amigos e amigas de Donna Rita.... 

   Hoje vim aqui especialmente para  divagar sobre um dos mistérios da vida de todo artesão: A precificação, que diabos é isso ?

    Aí do conforto de sua sofá você pode acreditar que é algo simples, mas não é. Taxar um valor em sua obra de arte é complicado demais. Saber o quanto vale o fruto de horas de seu trabalho, produto de seu talento, é muito difícil. Como podemos saber se o preço que fazemos é justo, tanto para nós quanto para nossos queridos fregueses. Para desvendar esse mistério vou utilizar de um curso de precificação que foi oferecido no 5 elo 7 day.

   Alerto que as dicas que serão oferecidas aqui são um pouco complexas, um tanto dificeis de entender, porém são de extrema importância. Antes de começar, gostaria que você tivesse em mente que o preço ideal é aquele que satisfaz ambas as partes da relação comercial, o vendedor e o comprador. Tenha em mente três pequenos termos: preço mínimo, preço ideal e preço de mercado.



    O preço mínimo é o mais baixo que você pode vender sem tomar um prejuízo. No preço mínimo você lucra o mínimo possível, porém sem prejuízo. É calculado através do custo do produto, da matéria prima usada, e mão de obra utilizada. MP (materia prima utilizada) + MO ( mão de obra utilizada) + P( poupança) = preço mínimo.

    Não se assuste, irei explicar cada termo. Vamos começar pela matéria prima. Aqui no nosso exemplo vamos supor que eu gostaria de fazer uma caixinha de lembranças. Minha caixa pequena de mdf custou apenas R$0,90. Usei aproximadamente R$0,01 de goma laca. A tinta rosa bebê que escolhi não passou de R$0,05. Cobrei R$0,20 na impressão da tag. Usei um pedaço de folha de opaline equivalente a R$0,06. Finalmente peguei um tecido bem bacana e utilizei uma parte equivalente a R$1,06. Tudo isso me gerou um custo de R$2,28. Guarde esse valor, ele será correspondente á matéria prima utilizada.

    Vamos para o valor da mão de obra. Para realizar esse calculo tenha em mente o quanto de renda você gostaria de obter com o seu trabalho, aqui no meu exemplo digo que gostaria de ganhar um salário modesto de R$680,00 com o trabalho de 10 horas semanais. Logo, se eu pretendo ganhar R$680,00 mensais em uma jornada de trabalho de 40 horas mensais, faço o seguinte cálculo: 680: 40. O valor obtido será de R$17,00. Dezessete reais será então o valor da minha hora de trabalho. Aqui no caso foi levado o tempo de 40 minutos, logo nosso valor de mão de obra corresponde a R$11,00. Guarde esse valor.

    Poupança é o valor que você deve ter para cobrir as sua despesas com seu material. Eventualmente seus aparelhos podem sofrer um desgaste, reposição de peça, esse valor serve para cobrir esse desgaste. Lembre-se que não podemos nos nos dar o luxo de tomar prejuízo. Aconselho aqui a cobrar um valor de cerca de 12% do custo da mão de obra e da matéria prima: (MP + MO). 12%. Aqui no nosso caso seria o valor de R1,60.

    Vamos colocar os valores na nossa equação:

    MP + MO + P = preço mínimo
    2,28 + 11 + 1,6 = PM
    Logo, R$14,88 será o nosso preço mínimo.

   Com o preço mínimo podemos estabelecer os outros. Sabendo que R$14,88 é o mínimo que você pode cobrar. Digamos que o preço de mercado seja R$30. Preço de mercado é o valor em média que os concorrentes cobram. Logo o seu valor ideal pode variar entre R14,88 e R$30.... É assim você consegue estabelecer um parâmetro para sua precificação. Essa postagem serve para lhe dar um norte.....

   Bom, espero ter ajudado e não complicado ainda mais a vida de vocês todos..... Bjsss, abraçosss e boa sorte.... Até a próxima......

Comentário(s) pelo Facebook:

9 comentários:

  1. Incluo também preço do transporte pra levar pros correios, etiquetas e afins. Refiz os cálculos e bateu, só acho que cobro pouco pela hora de trabalho. Mas agora to testando novos materiais e o preço de qualquer forma vai aumentar um pouco, então vou aproveitar pra refazer essa parte do cálculo. Ótimo post!

    ResponderExcluir
  2. Adorei as informações Rita. Eu faço mais ou menos assim a minha precificação. A minha mão de obra eu calculo 20% em cima do preço de custo, + a poupança, mas vou rever esse parâmetro, usando o teu modo, para ver se estou realmente cobrando um preço justo pra mim e para o cliente. Como produto artesanal a gente nunca sabe o tempo que vai gastar com cada peça, sua dica valeu muito pra mim. Obrigada pela ajuda.

    ResponderExcluir
  3. Ajudou muito a minha vida! Obrigada!
    Renata

    ResponderExcluir
  4. Adorei!! Muito prática sua explicação...
    É muito difícil mesmo colocar preço.

    ResponderExcluir
  5. Foi muito legal a sua explicação.. muito obrigada!!

    ResponderExcluir
  6. Todas vocês que comentaram, desculpem não ter passado aqui pra responder ainda! Que bom que foi útil a vocês, qualquer dúvida é só perguntar, que se eu souber, eu ajudo!

    Bjos!

    ResponderExcluir
  7. Olá Rita,
    Meu critério é o seguinte: custo dos materiais, 30% de lucro e 15% de mão de obra. Se eu for colocar, transporte, luz, hora de trabalho pois senão o meu preço chega a um patamar que não conseguirei vender o produto. Concordo com a sua orientação, achei super bem orientada e explicada. Com o critério que venho usando já está difícil alguém valorizar um trabalho artesanal e fazer as encomendas.
    Obrigada pela ajuda e parabéns por dividir o que sabe.
    Abraços
    Fatima e Iracema
    Mirabolarte

    ResponderExcluir
  8. só não entendi como chegou a essa preço do R$0,20 na impressão da tag e dos outros itens lá em cima

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. David, esses valores são os valores que gasto com matéria prima, por exemplo: eu mandei imprimir as etiquetas em uma gráfica e 100 delas custaram R$20,00, então vou dividir o valor pelas unidades e chegar ao valor de custo de cada uma. Se com um metro de tecido eu faço 5 peças, vou pegar o valor total do metro do tecido e dividir por 5, tendo o valor de custo do tecido para cada peça e assim vai. Para fazer nossa precificação de forma correta temos que ter na ponta do lápis o custo de cada material que usamos, assim podemos cobrar o preço justo e não apenas inferir valores cabalísticos as nossas peças, como muitos artesãos, infelizmente, ainda vêm fazendo... Qualquer dúvida é só chamar!
      Abraços!

      Excluir

Parece clichê, nós sabemos, mas é a mais pura verdade: seu comentário é muito importante para nós! Então não se reprima e diga o que você pensa! Caso queira ter uma conversa mais longa, fique a vontade para nos enviar um e-mail. O endereço é esse aqui donnarita.artesemimos@gmail.com E lembre-se: sinta-se em casa!

© Donna Rita - 2016. Todos os direitos reservados.
Criado por: Donna Rita.
Programado por: Seis Mil Milhas.